terça-feira, 10 de março de 2009

Tragédias e comédias de um câncer - Parte II

...Tipo assim, essas histórias cômicas sempre puxam outra e mais outra e quando a gente vê o câncer acaba sendo um grande circo.
Outra dessas pérolas saiu novamente da boca do Matheus. Coisa de criança que diz as coisas com tanta inocência que acaba sendo engraçado.
Vinha meu marido trazendo as crianças da escola num final de tarde frio e chuvoso de inverno e a conversa corria solta entre os anjos do banco de trás. Camila, amiga da Duda, contava os dissabores de sua mãe que havia sofrido um acidente em minha casa (tema para outra postagem), contando que ela havia quebrado a perna. Matheus, como não poderia deixar de ser, emendou sua versão prosaica da enfermidade de sua mãe e disse com autoridade: Ah, mas e a minha mãe, que quebrou a teta!!
Pode??

4 comentários:

LINFOMA -VALESKA disse...

Oi Mari
Achei seu blog pelo do Tadeu (linfomaníaco) tb tenho linfoma como ele.
Li no seu blg que o seu "era" o câncer de mama, pela frase do seu filho Matheus- "Mas e a minha mãe que quebrou a teta."

Gostei muito do seu senso de humor.
otimismo é 50% da cura o resto é correr atrás mesmo.

Um abração

Renata (impermeável a) disse...

ahhhhhhhhhhhhhhh......rsrsrsrsr
rsrrr

Eu tenho um conjunto de historinhas engraçadas e meiguinhas...

de criança?
Uma pacientinha pegou no meu cabelo e disse:
máeeeeeeeeeee.... o cabelo dela parece de nenem!

mAs, quer saber?
normalmente quanto conto minhas histórias, as transformo em cômicas!

beijos.

Sandra disse...

Essa do Matheus eu não sabia! Só podia ter vindo dele mesmo. Ele é DEMAIS!!!

Larissa Bohnenberger disse...

Esse teu filho é uma figura!!!!!