segunda-feira, 27 de abril de 2009

Dilma

Nossa futura candidata - e, possivelmente, nossa futura presidenta da República - está com câncer.
Linfoma.
Mulher firme, forte, por vezes dura.
Assim são as mulheres que querem se fazer respeitar na política: Precisam ficar firmes e fortes em seus postos, pois não faltarão aqueles que, em algum momento, tentarão derrubá-las.
Por vezes esse firme pode transparecer dureza.
É só a casca.
Por dentro ela mostrou, no último mês - enquanto estava aguardando doloridamente o resultado de seus exames de investigação do câncer - que é apenas uma Mulher.
Que sente, que tem saudade, que tem medo.
Ninguém poderia imaginar o porque do choro em Minas Gerais, lembrando da infância.
Ela não só lembrava da infância. Lembrava de tudo.
Chorou em Santa Maria, no lançamento do Plástico Verde.
Não tinha me dado conta...Não me lembro nunca de tê-la visto chorando.
Nesse momento acredito que ela tenha ficado satisfatoriamente pronta prá assumir o compromisso de candidata.
Ela é Mulher; ela é firme e - acima de tudo - ela Pode demonstrar que é apenas humana.
Que sofre e chora, como qualquer um de nós.
Que pode endurecer, mas sem perder a ternura.
Isso nos mostra que teremos um ser humano no poder. Que após estar infinitamente fragilizada pelo câncer ainda tem disposição de arregaçar as mangas e brigar, enquanto poderia simplesmente se recolher e ficar em casa lambendo as feridas.
Espero sinceramente que ela fique bem.
Ela vai ficar.

Um comentário:

Quem é ela? disse...

Tomara que ela fique boa, mas não como presidente da República!