quarta-feira, 14 de outubro de 2009

Cega, surda, muda e...sem vergonha!


Calma, não é nesse sentido que te veio à cabeça, mas às vésperas de completar quarenta anos vivo uma das fases mais sem vergonha da minha vida.

Confesso que ando sem vergonha nenhuma de me fazer de cega prá muitas coisas que insistem em me vir aos olhos. Não tenho mais vergonha nenhuma de ver a casa bagunçada e não dar bola nenhuma, muito menos vergonha de ver que não adianta todos os esforços concentrados que executo, estou envelhecendo. É fato. Mas meus olhos vão bem, obrigada, ainda não preciso de óculos.

Também não tenho vergonha alguma em admitir que, além da surdez natural que adquiri na época que fui secretária e me rendeu um zumbido - tipo ziiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii - no ouvido em tempo integral, não tenho mais vergonha em me fingir de surda prá muitas bobagens que ouço. Melhor deletar e ser feliz que captar e se ferrar, sendo obrigada a responder à altura e com inteligência. Isso cansa e causa rugas. Tô fora. Deixa essa superioridade para os mais 'jovens'. Com o tempo a gente aprende a fazer ouvido grosso, como dizia meu pai.

Outra coisa que a idade e as agruras da vida nos ensinam é que o silêncio é ouro e que se não tivermos alguma coisa prá falar que valha mais do que o bom silêncio, melhor calar.
Não me apraz discussões intermináveis sobre o sexo dos anjos e bate bocas esdrúxulos, que não edificam. Nesse sentido acho que já nasci quaretona, pois nunca fui dada a bate boca. Credo.

Apesar de todos esses probleminhas, inerentes à idade, me vejo a cada dia mais jovem. Mais relaxada e mais desencanada. Descobri que enxergar bem, ouvir bem e falar muito são coisas de gente velha, ranzinza, xereta. Eu fora.
Prefiro assumir meu lado sem vergonha.

8 comentários:

Dai disse...

Amoo..Falta de vergonha é indispensável pra viver..
Aproveita e se faz de surda para os parabéns que irao cantar pra voce daqui pra frente..afinal, primaveras a mais nao irão te importar.
Adorei a expressão do seu pai:ouvido grosso. Precisamos fazê-lo direto pra nao explodir com uns trens sem maquinistas por aí.

Beijinhos..ótimo dia pra vc

Malu disse...

às vezes temos que relaxar mesmo, amiga, senão, explodimos...
Eu sou relax.
Tenho o seguinte lema: NO FINAL TUDO DA CERTO E, SE NÃO DEU CERTO É PORQUE O FINAL AINDA NÃO CHEGOU.
O que não podemos fazer é perder a sensibilidade...
Há que se ter um olhar doce sempre.
Amo também ser quarentona.
Acho que agora é que virei mulher, sem perder a menina que há em mim,é claro.
Beijinhos neste seu coração que é super lindo

Simone disse...

De uns tempos prá cá, meu lado "sem vergonha" resolveu ser o meu lado mais insubordinado... Tá praticamente fora de controle... E Deus que me livre de "enxergar bem, ouvir bem e falar muito"... Só de pensar nesse "tipo", me dá arrepios!
Bjs.

CarolBorne disse...

É isso aí! Sou sem-vergonha 'deusde' o berço!

Larissa Bohnenberger disse...

E viva a sem-vergonhice! VIVA!!!!!!!

Alexandre Mauj Imamura Gonzalez disse...

é a sabedoria se manifestando.
Muitas vezes é melhor mesmos nos fazermos de cegos, surdos e mudos. A gente carrega aquela vontade de corrigir o mundo, de dizer o que é certo, muitas vezes com boa vontade.

Mas no final, o que gera de treta... além da pessoa não entender nosso recado ainda cria resistência contra a gente.

Vc tá é certa, eu tb quero cada vez mais ser sem vergonha.

Mar disse...

Stress causa problemas de ouvido sim, tenho passado por isso. Tanta conversa inconveniente atinge os nervos auditivos causando uma reação de negação ao nosso sistema. Se existe algo que amo de paixão na vida é o silêncio. Nele mergulhamos no som da vida. Mas.. ele é tão raro que quando chega o abraçamos tanto que ele explode minutos depois.

Claudia Cardeal disse...

É como eu digo: é melhor ser feliz do que ter razão...